domingo, 28 de junho de 2020

Igualdade: uma justificativa de privilégio, opressão e desumanidade - por Alex Kurtagić


Alex Kurtagić

É um clichê em nossa sociedade liberal de esquerda que todos devemos permanecer vigilantes contra qualquer ideologia que rejeite a igualdade como um objetivo moralmente desejável, porque, se essa ideologia atingir poder político, logo nos encontraremos de volta à ladeira escorregadia que começa com uma justificativa de racismo e termina com as câmaras de gás em Auschwitz-Birkenau.[1]

Tanto os liberais quanto seus críticos marxistas se apresentam como forças de libertação e emancipação, e sua historiografia retrata o tempo antes de seu advento como o de privilégio, opressão e desumanidade.

No entanto, a história dos últimos cem anos tem mostrado que, contrariamente à presunção dos liberais e da esquerda e contrária à boa retórica que emana de seu campo, a lógica moral do igualitarismo também justifica privilégio, opressão e desumanidade, exatamente os mesmos males que ela reivindica ter se oposto.


Privilégio

Uma suposição-chave entre os igualitários é que a igualdade de oportunidades deve produzir igualdade de resultados e que, quando os resultados são desiguais, é porque um indivíduo ou grupo de indivíduos desfruta de uma vantagem injusta. Os igualitaristas têm uma visão de mundo materialista, de modo que a vantagem injusta é sempre redutível às condições materiais, que, na sua opinião e no sentido mais amplo possível, são o principal determinante dos resultados. Essa vantagem injusta é chamada de “privilégio”. Para combater os privilégios, a principal estratégia do igualitarismo é a redistribuição: aqueles pensados ter desfrutado de vantagens injustas são submetidos à extração e o “excesso” extraído é transferido para aqueles pensados ter sofrido desvantagens injustas.

Certamente, é verdade que indivíduos ou grupos de indivíduos às vezes desfrutam de vantagens injustas, mas resultados desiguais nem sempre são o resultado de oportunidades desiguais resultantes do “privilégio”. A igualdade de oportunidades pode resultar, e o tempo todo, em resultados desiguais. Os igualitaristas resistem à causa (desigualdade humana inerente) porque acreditam que uma sociedade desigual é imoral. A desigualdade é para eles sempre e necessariamente uma injustiça.

O problema é que eles efetivamente “corrigem” uma injustiça percebida com uma real. Onde não tem havido vantagem injusta, mas resultado desigual, a redistribuição tira do merecido a fim de dar aos que não merecem. Com efeito, isso cria uma classe privilegiada de indivíduos que desfrutam de vantagens não merecidas e, portanto, injustas, às custas daqueles que obtiveram pelo trabalho, justo e honesto, aquilo que lhes foi tirado. O igualitarismo, portanto, simplesmente transfere privilégios de uma classe para outra - não o elimina.


Opressão

Alguns críticos da direita disseram que devemos distinguir “boa igualdade” de “má igualdade”, citando a igualdade perante a lei como um exemplo de “boa igualdade”.

A igualdade pode fazer sentido em certos contextos, na condição prevista que seja tratada como uma questão prática. Quando é tratada como um imperativo moral, contudo, torna-se impossível justificar a oposição às sociedades multirraciais que agora temos no Ocidente, onde os indígenas {neste contexto os residentes locais} não devem ser considerados especiais e onde os níveis de imigrantes geneticamente distantes são determinados puramente por considerações econômicas.

As sociedades multiculturais resultantes são inerentemente instáveis, porque não podem mais ser governadas sob um conjunto compartilhado de suposições, valores e costumes, e porque a identificação racial e étnica entre vários grupos os coloca na competição mútua por poder e recursos. Escusado será dizer que a competição entre diferentes grupos também ocorre em sociedades racialmente homogêneas, mas o multiracialismo adiciona camadas de complexidade totalmente desnecessárias, exigindo níveis totalmente novos de envolvimento do Estado. Como o experimento multicultural mostrou no Ocidente, o crescimento do multiculturalismo em um cenário de moralidade igualitária fomenta o crescimento de políticas de igualdade, regulamentação, legislação, policiamento, fiscalização, burocracias e programas sociais, projetados para impedir que os indígenas {neste contexto os residentes locais} desenvolvam estratégias de exclusão contra os grupos exógenos sempre crescentes. A garantia liberal da liberdade de expressão é progressivamente encurtada a fim evitar ofender algum grupo ou outro. A liberdade de associação é progressivamente encurtada a fim de garantir que nenhum grupo seja excluído com base na diferença. A liberdade de representação é progressivamente reduzida a fim de impedir os indígenas {neste contexto os residentes locais} de organizarem uma oposição política. A liberdade econômica é progressivamente encurtada – por exemplo, através do sistema tributário - a fim de equalizar os resultados e financiar o aparato do estado da igualdade. O último, é claro, cresce continuamente, tornando-se cada vez mais intrusivo, invasivo, caro e opressivo. No Ocidente, chegamos ao estágio em que expressar uma opinião no Twitter, com menos de 140 caracteres, pode resultar em uma condenação com uma sentença de custódia.

Existem outros efeitos também, que também contribuem para uma atmosfera opressora. Provou-se que as sociedades multirraciais sofrem níveis mais altos de criminalidade e níveis mais baixos de confiança[2], os quais destroem o espírito da comunidade, menor qualidade de vida e incentivam os cidadãos a recuar para lares com alarmes, com janelas gradeadas, às vezes atrás de comunidades fechadas com patrulhas de segurança armadas. Mesmo estes não oferecem garantia, então os cidadãos vivem com medo constante; medo de ofender alguém; medo de expressar certas opiniões; medo de espaços públicos; medo de certos concidadãos; medo de estar associado a certos partidos políticos; e, no caso dos indígenas {neste contexto os residentes locais}, também temem se opor à sua própria desapropriação e retirada de privilégios, mesmo que no final não haja mais lugar para fugir. Mais uma vez, todos os itens acima, exceto o último, existem em sociedades homogêneas, mas sob o multiculturalismo igualitário as fontes de medo se multiplicam, porque as variáveis se multiplicaram.


Desumanidade

Como demonstrei em um artigo anterior[3], a crença na bondade moral da igualdade despe a vida do significado, porque o significado vem da diferença ou da desigualdade. No processo, tira tudo o que torna a vida boa e digna de ser vivida, pois esta é dependente do significado e de várias formas de diferença.

Associada à moral igualitária está a noção de direitos humanos. Na ideologia liberal, os seres humanos são considerados de igual valor em dignidade e direitos. No entanto, esse não é realmente o caso, pois se aplica apenas àqueles que acreditam na bondade moral da igualdade.

Humanos são comiserados ter direitos simplesmente pela virtude de serem humanos. Ao mesmo tempo, é considerado uma indicação da humanidade de uma pessoa reconhecer os direitos humanos. O tratamento de outros seres humanos que desrespeita os direitos humanos é descrito como “desumano”, bestial, demoníaco. Uma descrição mais branda é “bárbara”, a qual conota uma humanidade menor.

Mas não é preciso tortura ou assassinato horrível ou assassinato em massa para se tornar, pelo menos do ponto de vista liberal, um animal ou um demônio, porque simplesmente rejeitar a noção de que a igualdade é um bem moral absoluto tem o mesmo efeito. O racismo, por exemplo, implica essa rejeição. Portanto, somente se tome alguém sendo considerado “racista” para que alguém seja tratado como dotado de uma humanidade menor. A animalização e demonização do recém-identificado “racista” marca sua mudança de status.

A razão é simples: se o igualitarismo é moral e se uma capacidade de moralidade é o que nos torna humanos, o desigualitário é automaticamente desumano e, portanto, uma besta ou um demônio.

            No entanto, a observação confirma que a regra não é aplicada uniformemente: a acusação de “racismo” é muito mais desumanizante para os brancos do que para outros. Um homem negro no Ocidente pode se envolver em um comportamento claramente racista sem ter sua humanidade questionada. Por outro lado, um homem branco no Ocidente é sustentado por um padrão muito mais rigoroso: leva muito menos para ele ser rotulado de “racista” e os efeitos do rótulo são para ele muito mais severos. Isso poderia potencialmente indicar uma suposição tácita entre os liberais de que os negros são de uma humanidade menor e que os brancos são de uma humanidade superior, pois isso explicaria a indulgência em relação ao primeiro e a severidade em relação ao segundo, mas isso está além do escopo deste ensaio. O fato é que, uma vez considerada “racista”, a besta ou demônio branco não goza mais dos mesmos direitos e privilégios que os “não-racistas”. Sua liberdade de expressão e associação pode ser pervertida, restringida ou negada; sua propriedade e produção criativa podem ser vandalizadas, apreendidas ou destruídas; e sua liberdade e meios de sobrevivência podem ser tirados dele, às vezes sem explicação – tudo com completa impunidade e aprovação universal. Pior ainda, aos olhos de amigos e parentes, aquele que é rotulado de “racista” deixa de ser uma pessoa, e qualquer tipo de abuso direcionado a ele é um jogo justo. É, de fato, visto como certeiro e plenamente justificado.

Essa pode ser uma das várias razões pelas quais as sociedades comunistas, que viviam sob um sistema de igualitarismo radical, viram o pior tratamento e os piores assassinatos em massa de seres humanos na história. Isto pode também ser o porquê que tantos perderam suas cabeças sob a bandeira de “liberté, egalité, fraternité”. Como eu argumentei em outro lugar[4], a busca pela igualdade implica a destruição de valor e torna toda a vida humana equivalente e substituível[5]. Se, no alto da situação, adicionamos uma lógica moral que desumaniza aqueles que rejeitam essa lógica, terminamos em uma situação que se começa chamando alguém de “racista”, “reacionário” ou “burguês” e termina na guilhotina ou no gulag siberiano.

{Contra os "privilégios", a "opressão" e a "desumanidade", a chamada "Revolução"
Francesa, que alegou"liberdade", "igualdade" e "fraternidade" só obteve mudanças
através de seu instrumento "equalizador": a guilhotina!}

Conclusão

Talvez nós devêssemos permanecer vigilantes contra qualquer ideologia que apresente a igualdade como um objetivo moralmente desejável, em vez de uma solução prática que possa ser um expediente em alguns contextos, porque vimos o que acontece quando uma ideologia moralmente igualitária alcança o poder político.

Tradução e palavras entre chaves por Mykel Alexander


Notas


[1] Nota do tradutor: Sobre a distorção histórica que falsificou os campos de concentração da Alemanha de Hitler em campos de extermínio ver os seguintes artigos fundamentais:
- O Primeiro Holocausto - por Germar Rudolf, 26 de janeiro de 2020, World Traditional Front.
- A Mecânica do gaseamento - Por Robert Faurisson, 22 de outubro de 2018, , World Traditional Front.
- O “problema das câmaras de gás” - Por Robert Faurisson, 19 de janeiro de 2020, World Traditional Front.
- As câmaras de gás de Auschwitz parecem ser fisicamente inconcebíveis - Por Robert Faurisson, 23 de janeiro de 2020, World Traditional Front.
- O Relatório Leuchter: O Como e o Porquê - por Fred A. Leuchter, 25 de janeiro de 2020, World Traditional Front.

[2] Nota do tradutor: Raça e Crime na América - Por Ron Keeva Unz, 03 de junho de 2020, World Traditional Front.

[3] Nota do tradutor: Igualdade: o caminho para uma vida sem sentido - por Alex Kurtagić, 21 de junho de 2020, World Traditional Front.

[4]  Nota do tradutor: Igualdade: o caminho para uma vida sem sentido - por Alex Kurtagić, 21 de junho de 2020, World Traditional Front.

[5] Nota do tradutor: Migrantes: intervenções “humanitárias” geralmente fazem as coisas piores – Entrevista com Alain de Benoist, 31 de dezembro de 2017, World Traditional Front.




Fonte: Equality: A Justification of Privilege, Oppression, & Inhumanity, por Alex Kurtagić, 26 de fevereiro de 2013, Counter-Currents Publishing - Books Against Time

Sobre o autor: Alex Kurtagić (1970 – ) nasceu na Croácia filho de pais eslovenos. Devido a profissão do pai, viajou e viveu em vários países. Tem fluência em inglês e espanhol, e pratica o francês e alemão. Após completar os estudos nos EUA graduou-se na Universidade de Londres (M.A. entre 2004 – 2005) em Estudos Culturais. Também é músico, desenhista, pintor, escritor e editor (Wermod and Wermod Publishing Group). Seus artigos são publicados nas revistas virtuais The Occidental Quarterly, Vdare, Counter Currents, Taki Mag, e American Renaissance.
_________________________________________________________________________________

Relacionado, leia também:

Igualdade: o caminho para uma vida sem sentido - por Alex Kurtagić

A cultura ocidental tem morrido uma morte politicamente correta - Paul Craig Roberts

Migrantes: intervenções “humanitárias” geralmente fazem as coisas piores – Entrevista com Alain de Benoist

domingo, 21 de junho de 2020

Igualdade: o caminho para uma vida sem sentido - por Alex Kurtagić


 Alex Kurtagić

Em um livro que ele escreveu cerca de vinte anos atrás, Jonathan Bowden {falecido político inglês nacionalista de tendência pagã} disse que o significado se origina na diferença, ou desigualdade. Isso me interessa porque, antes de descobrir o texto, fiz um argumento muito semelhante em um ensaio publicado cerca de um ano atrás, no qual ataquei a ideia - quase universalmente aceita no Ocidente - de que a igualdade é um bem moral.

Meu argumento era que a natureza do valor é tanto qualitativa (subjetiva) quanto quantitativa (objetiva). O valor qualitativo existe quando algo é especial, quando é diferente de outros exemplos do mesmo, porque possui qualidades especiais ou únicas. O valor quantitativo existe quando alguma coisa é superior, quando ela é diferente de outros exemplos do mesmo, porque é mensuravelmente melhor ou de uma maior qualidade.

Naturalmente, o valor qualitativo algumas vezes pode ser subsumido no quantitativo, pois alguma coisa pode ser superior porque ela é especial, da mesma maneira que o valor quantitativo pode às vezes ser subsumido no valor qualitativo, pois alguma coisa pode ser especial porque é superior.

Isso sem dizer que os valores qualitativo e quantitativo não são necessariamente intercambiáveis, mas são, no entanto, ambas as formas de valor porque são formas de diferença e, em ambos casos, estamos falando de alguma forma de qualidade surgindo da desigualdade.

O significado é, naturalmente, uma forma de valor - especificamente, de valor qualitativo. Pois quando algo tem significado para nós, ele também é valioso – ele pode não ser mensuravelmente superior a outros exemplos do mesmo, e o valor pode não ser quantificável, mas ele existe subjetivamente, não obstante.

Segue a partir disto que um processo de equalização envolve sempre e necessariamente uma destruição de valor.

Não há conservação de valor através da transferência, porque a igualdade necessita a eliminação da diferença e a qualidade é criada na ou através da diferença, ou desigualdade.

Por sua vez, segue-se disso que se a vida boa é uma vida significativa, então uma vida boa tem valor, e uma má não.

Podemos concluir, então, que viver em igualdade é uma vida sem significado e, portanto, uma vida sem valor para a pessoa que a vive.

Presumivelmente, uma vida que é intercambiável com qualquer outra vida não tem valor se o custo de substituí-la for zero. Esse nunca é o caso, portanto toda a vida tem algum valor, por mais intercambiável que seja. Mas pode facilmente ser visto como a intercambialidade, que depende da equivalência (isto é, igualdade), proporcionalmente reduz o valor.

Isso pode ser o porquê a vida era tão barata sob o comunismo soviético, um sistema predicado na igualdade maximizada. As taxas de suicídio eram altas, uma vez que uma vida sob o sistema soviético era menos valiosa para a pessoa que a vivia e o assassinato em massa também era alto, já que a vida de outras pessoas geralmente era menos valiosa para aqueles no comando.

Também pode ser por isso que os humanos buscam agregar valor às suas vidas por meio de várias estratégias de diferenciação individual ou grupal, ou desigualdade, porque também há valor em pertencer a um grupo que é considerado superior ou especial em alguma maneira.

Nunca pode haver igualdade perfeita; portanto, sempre é possível encontrar maneiras de dar sentido à vida (embora se o nível de significado é considerado suficiente por um determinado indivíduo seja outra questão). Por outro lado, é difícil imaginar desejar viver muito tempo em um sistema em que qualquer tipo de diferenciação era absolutamente impossível, pois uma vida significativa seria impossível e, assim, encontrar coisas na vida com significado. De fato, somente um autômato seria capaz de viver dessa maneira, então nós podemos legitimamente descrever tal existência como desumana, e um sistema perfeitamente igualitário também como desumano.

Existe alguma justificativa para considerar a igualdade como um bem moral absoluto - como um bem que é digno de perseguir em todos os casos por seu próprio bem?

Parece que não, desde que a igualdade destrói tudo o que faz a vida valer ser vivida.

Pode-se argumentar que as políticas de igualdade trouxeram benefícios para muitos, tornando as sociedades ocidentais muito atraentes para as pessoas que vivem ou procuram viver nelas. No entanto, a busca de políticas de igualdade é uma das características que diferenciam as sociedades ocidentais das contrapartes não ocidentais; portanto, o valor das primeiras reside na desigualdade respectiva às sociedades não ocidentais. Além disso, aqueles que adotam políticas de igualdade no Ocidente o fazem por razões de desigualdade: sentir-se moralmente superior, ser visto moralmente superior ou, o que é o mesmo que o último, eliminar barreiras para um aumento contínuo do poder econômico. Portanto, não é geralmente procurada a igualdade, mas alguma forma de superioridade, seja ela moral ou econômica.

Pior ainda, pode-se argumentar que uma das características que os povos não ocidentais consideram menos atraente sobre o Ocidente na modernidade liberal é o niilismo e o materialismo superficial, ambos produtos da igualdade. A ideia por trás do liberalismo era ‘libertar’ o indivíduo, que deveria ser a medida de todas as coisas. Entre outros poderes externos, o indivíduo foi libertado do transcendente, o que implica hierarquia, e sem o qual o mundo se torna inteiramente material, e o material aumenta a fonte óbvia de melhoria na vida. O projeto liberal tem também procurado libertar o indivíduo das identidades coletivas de facto, baseados em fatores fora de seu poder de controle, como raça ou gênero. No marxismo, uma ideologia mais radicalmente igualitária, a absorção de críticas feitas ao liberalismo resultou em uma versão mais igualitária deste último, em que se procurou também eliminar a classe. Esse processo de ‘libertação’ tem ignorado o fato de que as pessoas encontram significado dentro, ou contra, as categorias que procuravam desvalorizar ou eliminar. O resultado é uma perda de respeito por tudo. E é digno de notar, neste contexto, como os imigrantes de primeira geração geralmente temem que seus filhos percam o respeito - por eles, por si mesmos ou por sua cultura (entendida racialmente) - através da ocidentalização, que hoje significa liberalização.

Em análise final, a igualdade é um anátema para a vida boa e só pode ser considerada um mal.

Portanto, atacar a igualdade - em todas as suas formas - é moralmente justo, e qualquer pessoa que procure criar um futuro mais significativo deve fazê-lo de forma aberta, orgulhosa, com vigor e com raiva.

Tradução e palavras entre chaves por Mykel Alexander




Fonte: Equality: The Way to a Meaningless Life, por Alex Kurtagić, 21 de fevereiro de 2013, Counter-Currents Publishing - Books Against Time

Sobre o autor: Alex Kurtagić (1970 – ) nasceu na Croácia filho de pais eslovenos. Devido a profissão do pai, viajou e viveu em vários países. Tem fluência em inglês e espanhol, e pratica o francês e alemão. Após completar os estudos nos EUA graduou-se na Universidade de Londres (M.A. entre 2004 – 2005) em Estudos Culturais. Também é músico, desenhista, pintor, escritor e editor (Wermod and Wermod Publishing Group). Seus artigos são publicados nas revistas virtuais The Occidental Quarterly, Vdare, Counter Currents, Taki Mag, e American Renaissance.

_________________________________________________________________________________

Relacionado, leia também:

A cultura ocidental tem morrido uma morte politicamente correta - Paul Craig Roberts

Migrantes: intervenções “humanitárias” geralmente fazem as coisas piores – Entrevista com Alain de Benoist

domingo, 14 de junho de 2020

Sobre o racismo - por Paul Craig Roberts


Paul Craig Roberts

Se os brancos são racistas, como Obama foi eleito duas vezes presidente dos Estados Unidos? O fato de essas perguntas não ocorrerem aos que gritam “racismo branco” indica mentes fracas, a presença de anti-brancos que provocam travessuras e pessoas que falam com base em uma suposição não examinada que foi perfurada em suas cabeças.

A questão não examinada é: os brancos são racistas por natureza? Aqueles que dizem que os brancos são racistas por natureza afirmam simultaneamente que centenas de milhares de soldados de Lincoln morreram para libertar os negros da escravidão e que os brancos no Norte tiveram uma longa e implacável guerra contra os brancos no sul em benefício das pessoas negras.

Foram esses mesmos brancos racistas que aprovaram a Lei dos Direitos Civis de 1964, há 56 anos, e permitiram o estabelecimento de cotas raciais e contratos separados para os negros que deram aos mesmos direitos e privilégios que os brancos não têm.

Se os brancos são tão racistas, como pode ser que muitos deles estejam chateados com a morte de George Floyd devido à violência policial e que alguns se juntaram aos protestos? Ou os brancos são racistas por natureza ou não são racistas por natureza. Se os brancos não são racistas por natureza, como pode ser que o New York Times está liderando a reescrita da história americana com o Projeto 1619, que explica os Estados Unidos como um país fundado no racismo dos brancos?

Tais perguntas não ocorrem para Anthony DiMaggio, que escreve para o CounterPunch - Revolution, Not Riots.[1]

DiMaggio repete o mantra propagandístico de que a morte de Floyd nas mãos da polícia de Minneapolis - graças a Deus não no sul - é outro sinal da violência estrutural contra pessoas de cor. Então, o que é violência policial contra pessoas brancas? Os brancos são assassinados e brutalizados pela polícia por causa de sua cor de pele? É essa violência estrutural contra os brancos?

Você acha que a polícia não usa violência contra pessoas brancas? Como você é desinformado! Em 2017, a polícia matou mais do que o dobro de brancos do que negros. Em 2018, a polícia matou quase o dobro de brancos do que negros. Em 2019, 57% mais pessoas brancas do que pessoas negras foram mortas a tiros. Até agora em 2020, 35% mais pessoas brancas do que negras foram mortas a tiros pela polícia.[2]


Nem os negros nem os brancos sabem disso por razões que explico aqui.[3]

Uma sociedade multicultural e racialmente diversa, a qual os Estados Unidos têm se tornado como um resultado da imigração ilegal e da mudança na lei de imigração em 1965, não pode sobreviver se o ódio racial for uma característica da sociedade. Nos EUA, os liberais brancos ensinam americanos negros a odiar americanos brancos por décadas. Os negros têm sido doutrinados a acreditar que todo aspecto desagradável de sua existência se deve ao racismo branco. Em muitas pessoas brancas, essa doutrinação engendrou a culpa que os leva a se desculpar e fazer desculpas pela violência negra. O efeito ao longo do tempo é tornar os negros mais zangados e os brancos menos dispostos a resistir a atos violentos de raiva e culpar a si próprios. A sobrevivência de uma sociedade assim é problemática. Observar Washington fomentar conflitos com sociedades mais unificadas, como Rússia e China, é assustador.

Nenhum desses gritos de racismo está interessado em deter a violência policial. A violência policial contra membros do público é um produto do treinamento policial, não do racismo. Aqueles que gritam racismo não querem que a violência seja corrigida, reformando a forma como a polícia é treinada. Eles querem que a violência continue, pois é útil para sua agenda de usar o racismo branco para criar culpa branca e raiva negra. Este é o caminho da revolução. No marxismo, havia apenas uma guerra de classes entre trabalhadores e capitalistas - proletariado versus burguesia -, mas no marxismo cultural ou na política de identidade há opressão racial, opressão de gênero, opressão homossexual e opressão contra deficientes e idosos. Todas essas pessoas oprimidas ficam alienadas da sociedade e possíveis apoiadores para revolução.

Contudo, o marxismo cultural também poderia produzir contrarrevolução. Alguns brancos podem ver para onde isso está indo e a realização pode criar oposição ao ataque às pessoas brancas. Alguns consideram a eleição de Trump como presidente como uma indicação de que os americanos brancos percebem que foram abandonados pelo Partido Democrata. A menos que você seja um liberal branco próspero nas costas leste ou oeste, o Partido Democrata tem riscado você fora. Os brancos, incluindo a classe trabalhadora que anteriormente era representada pelo Partido Democrata, foram definidos por Hillary Clinton como “os deploráveis de Trump”. Os brancos já são cidadãos de segunda classe, principalmente se forem homens heterossexuais, e estão sendo preparados para o pior que está por vir. Os políticos, com exceção de Trump, têm muito medo dos ataques da mídia para confrontar a propaganda com a verdade.

É claro que existem racistas, mas a suposição de que essas animosidades existem apenas entre as cores da pele é problemática. Nos tempos modernos, as manifestações mais extremas de violência racial são tribais entre os próprios negros, como o genocídio de Ruanda, o massacre em massa de tutsis pelos hutus.

De fato, o comércio de escravos negros é o produto dos próprios negros e teve sua origem em 1600 nas guerras de escravos travadas pelo Reino negro de Daomé. O uso de Dahomey de escravos negros na produção econômica antecede as plantações de algodão no sul dos EUA. Alguém poderia pensar que esses fatos bem conhecidos e totalmente documentados seriam parte dos estudos sobre negros nas universidades, mas esses fatos são inaceitáveis para a ideologia dominante. A história de Karl Polanyi sobre Dahomey and the Slave Trade tem simplesmente desaparecido. É como se nunca tivesse sido escrito. Ele caiu no buraco da memória do Big Brother antes mesmo da revolução digital criar o Big Brother.

Os brancos, é claro, cometeram muito mais violência um contra o outro do que contra pessoas de cor. Pense na guerra do norte americano contra o sul, de todas as guerras entre europeus, as duas guerras entre os EUA e a Grã-Bretanha, culminadas ao fim pela Primeira Guerra Mundial e pela Segunda Guerra Mundial. Pessoas brancas mataram muito mais pessoas brancas do que pessoas de cor.

Mesmo a linguagem branca é dita ser racista. Diz-se que a palavra n proibida simboliza o racismo branco. Mas toda etnia branca tem sido chamada de nomes insultuosos - dago, polack, sapo, limão. Os irlandeses são trotadores. Há uma série de insultos para os alemães - kraut, boche, hun. Os negros têm muitos nomes pejorativos para os brancos. Por exemplo, "Miss Ann" ou "Ann" é uma referência irônica para mulheres brancas e para qualquer mulher negra que é considerada como agindo como se fosse branca. Os negros também usam pejorativos para os negros. Um oreo é uma pessoa negra que é considerada como agindo como uma pessoa branca. Tia Jemima é uma mulher negra que é amiga ou beija pessoas brancas. Um homem negro que faz o mesmo é o tio Tom. Brancos americanos têm pejorativos um para o outro - cracker, caipira, reacionário rural. As pessoas no sul da Inglaterra chamam aquelas do norte de macacos do norte. Existem pejorativos para todas as etnias. Os judeus chamam os gentios de goy. Os latino-americanos chamam os norte-americanos de gringo. Os ucranianos chamam os russos de moskals. Se os insultos são uma indicação de racismo, então toda a população do mundo é racista.

Por décadas, o FBI tem um departamento que monitora supremacistas brancos. A escassez de supremacistas brancos encorajou o FBI a criar, ou incentivar a criação de tais grupos, assim como o FBI estava organizando “conspirações terroristas” que eles poderiam eclodir após o 11 de setembro. Um orçamento aprovado precisa de um motivo.

Onde vemos evidências de supremacistas brancos? Estátuas de Grant, Sherman e Sheridan estão sendo derrubadas? O Lincoln Memorial é coberto de grafite? Os supremacistas brancos estão reescrevendo a história americana nas universidades e no New York Times? Onde estão suas revistas e jornais? Quem são seus representantes no governo e na mídia? Qual é o poder de um grupo tão invisível?

Por outro lado, Antifa é uma organização terrorista associada à violência organizada. No entanto, são os supremacistas brancos que estão sendo responsabilizados pela pré-entrega de estoques convenientes de tijolos nas áreas de protesto das cidades onde os negros estão protestando contra a morte de George Floyd nas mãos da polícia de Minneapolis. Como os supremacistas brancos sabiam quais cidades e quais locais nas cidades protestos ocorreriam? Quando o objetivo é culpar as pessoas brancas, essas perguntas não importam para aqueles fazendo a acusação.

Mas as questões importam para uma sociedade multicultural racialmente diversa. Tal sociedade não pode sobreviver ao cultivo da inimizade racial. Quando o objetivo é a revolução, não a reforma, a inimizade racial é a arma.

Tradução por André Marques (via Sentinela)
Revisão por Mykel Alexander

Notas


[1] Fonte usada pelo autor: Revolution, Not Riots: Prospects for Radical Transformation in the Covid-19 Era, por Anthony Dimaggio, 03 de junho de 2020, Counterpunch.

[2] Fonte usada pelo autor: Statista Research Department. Number of people shot to death by the police in the United States from 2017 to 2020, by race. 5 jun. 2020. Disponível em https://www.statista.com/statistics/585152/people-shot-to-death-by-us-police-by-race/

[3] Fonte usada pelo autor: All Races Suffer from Police Violence, 03 de junho de 2020, Paul Craig Roberts.
Em português como: Todas as raças sofrem de violência policial , por Paul Craig Roberts, 13 de junho de 2020, World Traditional Front.



Fonte: On Racism, por Paul Craig Roberts, 04 de junho de 2020, Paul Craig Roberts.

Sobre o autor: Paul Craig Roberts (1939 – ) licenciou-se em Economia no Instituto Tecnológico da Geórgia e doutorou-se na Universidade da Virgínia. Como pós-graduado frequentou a Universidade da Califórnia, a Universidade de Berkeley e a Faculdade Merton, da Universidade de Oxford. De 1981 a janeiro de 1982 é nomeado Secretário de Estado do Tesouro para a política econômica da gestão de Ronald Reagan. Foi Distinto Investigador do Instituto Cato entre 1993 e 1996. Foi também Investigador Sênior do Instituto Hoover.

Entre seus livros estão: The New Color Line: How Quotas and Privilege Destroy Democracy (1995);The Tyranny of Good Intentions: How Prosecutors and Bureaucrats Are Trampling the Constitution in the Name of Justice (2000, e segunda edição 2008); How America was Lost. From 9/11 to the Police/Warfare State (2014).

_________________________________________________________________________________

Relacionado, leia também:

Todas as raças sofrem de violência policial - por Paul Craig Roberts

Raça e Crime na América - Por Ron Keeva Unz

A cultura ocidental tem morrido uma morte politicamente correta - Paul Craig Roberts

“Judeus, comunistas e o ódio genocida nos ‘Estudos sobre a branquitude’” - por Andrew Joyce

Harvard odeia a raça branca? – Por Paul Craig Roberts

sábado, 13 de junho de 2020

Todas as raças sofrem de violência policial - por Paul Craig Roberts


Paul Craig Roberts

Americanos são tão submetidos a lavagem cerebral que mesmo alguns dos meus leitores não acreditam que violência policial afeta mais brancos do que negros. A maioria das vítimas são brancas; porém desproporcionalmente (negros são uma pequena porcentagem da população) eles são negros. Por sua vez, essa desproporção pode ser explicada pelo fato que de acordo com o Departamento de Estatísticas de Justiçados EUA, negros cometem um número desproporcional de homicídios. Sendo somente 13% da população, negros cometem 52% dos assassinatos. Consequentemente, os policiais consideram abordagens com negros mais perigosas para a polícia, e isso afeta o comportamento policial.[1]

Aqui estão estatísticas recentes fornecidas por Statista[2]:



Como tenho explicado, americanos não estão cientes dos fatos pelas seguintes razões:

(1) A mídia prostituída não reporta (exceto localmente) violência policial contra pessoas brancas, porque não se encaixa na narrativa de racismo branco.

(2) Diferente de negros, pessoas brancas não protestam. Brancos não foram educados a considerar violência contra si mesmos como racismo ou algo relacionado especificamente por serem brancos. Além disso, não há reportagens nacionais sobre, ou dias de cobertura de notícias nacionais, de violência policial direcionada contra brancos, então ninguém, branco ou negro, está consciente da extensão da violência da polícia contra pessoas brancas. Portanto, as pessoas brancas tendem a dar a polícia o benefício da dúvida. Reclamações de brancos são também suprimidas pelo medo de que a polícia seja tão atenuada e faça com que a polícia seja hesitante e menos efetiva no cumprimento da lei.

(3) A Identidade Política que domina nosso tempo não tem interesse em destruir a narrativa de racismo branco na sociedade americana. De fato, o reforço da narrativa racista da América é o propósito do projeto 1619 do New York Times.

Tradução por Caio Henrique

Revisão por Mykel Alexander


Notas


[1] Fonte utilizada por Paul Craig Roberts: Alexia Cooper e Erica L. Smith. Homicide Trends in the United States, 1980-2008: Annual Rates for 2009 and 2010. U.S. Department of Justice Office of Justice Programs Bureau of Justice Statistics. Novembro de 2011, NCJ 236018. Disponível em https://www.bjs.gov/content/pub/pdf/htus8008.pdf  (PDF)

[2] Fonte utilizada por Paul Craig Roberts: Statista Research Department. Number of people shot to death by the police in the United States from 2017 to 2020, by race. 5 jun. 2020. Disponível em https://www.statista.com/statistics/585152/people-shot-to-death-by-us-police-by-race/


Fonte em português: Todas as raças sofrem de violência policial, por Paul Craig Roberts, 11 de junho de 2020, O Sentinela – mídia crítica independente.

Fonte: All Races Suffer from Police Violence, 03 de junho de 2020, Paul Craig Roberts.

 Sobre o autor: Paul Craig Roberts (1939 – ) licenciou-se em Economia no Instituto Tecnológico da Geórgia e doutorou-se na Universidade da Virgínia. Como pós-graduado frequentou a Universidade da Califórnia, a Universidade de Berkeley e a Faculdade Merton, da Universidade de Oxford. De 1981 a janeiro de 1982 é nomeado Secretário de Estado do Tesouro para a política econômica da gestão de Ronald Reagan. Foi Distinto Investigador do Instituto Cato entre 1993 e 1996. Foi também Investigador Sênior do Instituto Hoover.

Entre seus livros estão: The New Color Line: How Quotas and Privilege Destroy Democracy (1995);The Tyranny of Good Intentions: How Prosecutors and Bureaucrats Are Trampling the Constitution in the Name of Justice (2000, e segunda edição 2008); How America was Lost. From 9/11 to the Police/Warfare State (2014).

_________________________________________________________________________________

Relacionado, leia também:

Sobre o racismo por - Paul Craig Roberts

Raça e Crime na América - Por Ron Keeva Unz

A cultura ocidental tem morrido uma morte politicamente correta - Paul Craig Roberts

“Judeus, comunistas e o ódio genocida nos ‘Estudos sobre a branquitude’” - por Andrew Joyce

Harvard odeia a raça branca? – Por Paul Craig Roberts

quarta-feira, 3 de junho de 2020

Raça e Crime na América - Por Ron Keeva Unz


Ron Keeva Unz

O notado escritor de ficção científica Philip K. Dick declarou uma vez que “a realidade é o que continua a existir, se você acredita ou não nela”. Tal observação deve ser mantida em mente quando nós considerarmos alguns dos aspectos mais delicadamente inflamáveis da sociedade americana.

Lembre-se do notório caso de Daniel Patrick Moynihan, cujo relatório de 1965 sobre a terrível deterioração da condição da família negra americana provocou uma tempestade de denúncia e indignação nos círculos liberais que o tópico resultou totalmente radioativo durante a maior parte de uma geração. Eventualmente, a contínua deterioração alcançou proporções tão maciças que o assunto foi retomado por liberais proeminentes na década de 1980, que então declararam Moynihan uma voz profética, injustamente condenada.

Essa história controversa de análise social com carga racial estava certamente no fundo de minha mente quando comecei minha pesquisa quantitativa sobre as taxas de criminalidade hispânica[1] no final de 2009. Uma dificuldade tradicional em produzir essas estimativas era a natureza problemática dos dados. Embora os Relatórios de Crimes Uniformes do FBI mostrem prontamente os totais anuais de criminosos negros e asiáticos, os hispânicos geralmente são agrupados juntos com os brancos e não são fornecidos números separados, permitindo assim todo tipo de especulação extrema por aqueles assim inclinados.

A fim de distinguir a realidade da imaginação vívida, uma seção importante da minha análise se concentrou nos dados das maiores cidades dos Estados Unidos, explorando as correlações entre as taxas de criminalidade relatadas pelo FBI e as proporções étnicas relatadas pelo Censo. Se as taxas de criminalidade urbana tivessem pouca relação com o tamanho relativo da população hispânica local, isso indicaria que os hispânicos não tinham taxas incomumente altas de criminalidade. Além disso, centros urbanos densamente povoados têm tido quase sempre muito mais crimes do que áreas rurais ou subúrbios, portanto, restringir a análise às cidades reduziria o impacto dessa variável estranha, que de outra forma poderia inflar artificialmente as estatísticas nacionais de crimes para um grupo populacional altamente urbanizado tal como hispânicos.

Minhas expectativas se provaram inteiramente corretas, e as correlações entre as porcentagens hispânicas e as taxas de criminalidade local eram geralmente muito próximas dos mesmos números para os brancos, apoiando fortemente minha hipótese de que os dois grupos apresentavam taxas bastante semelhantes de criminalidade urbana, apesar de suas enormes diferenças de status socioeconômica. Mas esse mesmo cálculo simples produziu uma correlação notavelmente forte entre números de crimes e negros, confirmando totalmente as implicações dos dados raciais do FBI sobre os perpetradores.

Isso me apresentou um estado de perplexidade óbvio. O tópico do meu artigo foi “Crime hispânico” e minhas descobertas foram original e potencialmente uma adição importante ao debate sobre políticas públicas. No entanto, os números de crimes negros em minhas tabelas e gráficos foram tão contundentes que percebi que eles poderiam facilmente ofuscar meus outros resultados, tornando-se o foco de um debate explosivo que inevitavelmente desviaria a atenção da minha conclusão central. Por isso, escolhi extrair os resultados negativos, talvez elevando indevidamente a prudência política sobre a candura intelectual.

Justifiquei ainda mais essa decisão observando que o crime negro na América tinha sido um tópico importante de discussão pública pelo menos durante o último meio século. Eu raciocinei que minhas descobertas certamente devem ser conhecidas há décadas pela maioria dos cientistas sociais nos campos relevantes e, portanto, acrescentariam pouco ao conhecimento existente. No entanto, desde então, algumas discussões privadas levaram-me a questionar seriamente essa suposição, assim como a tempestade de mídia cheia de emoções, mas vazia, em torno do julgamento de George Zimmerman. Eu tenho agora, portanto decidido publicar uma versão expandida e não expurgada da minha análise, que acredito ter um valor explicativo importante, além de algumas implicações políticas interessantes.


O padrão do crime urbano na América

Minha metodologia central é simples. Eu obtive as taxas de criminalidade e as percentagens étnicas das maiores cidades da América a partir de fontes oficiais de dados do governo e calculei as correlações cruzadas ponderadas pela população. A fim de minimizar o impacto de valores discrepantes estatísticos, apliquei essa mesma abordagem a centenas de conjuntos de dados diferentes: cada um dos anos de 1985 a 2011; taxas de homicídio, roubo e crime violento em geral; todas as grandes cidades de 250.000 e acima e também restrito apenas às grandes cidades de pelo menos 500.000. Eu obtive essas correlações de crimes urbanos com relação às porcentagens de brancos, negros e hispânicos locais, mas excluí os asiáticos porque seus números eram bastante insignificantes até recentemente (aqui e ao longo deste artigo, “branco” se refere a brancos não-hispânicos).

Eu também tentei estimar esses mesmos resultados para a população total de imigrantes. A esmagadora maioria dos imigrantes desde 1965 é hispânica ou asiática, enquanto que a esmagadora maioria desses dois grupos populacionais tem um histórico familiar relativamente recente de imigrantes. Portanto, a população combinada de hispânicos e asiáticos constitui um bom indicador para a comunidade de imigrantes e nos permite determinar a relação dos imigrantes com as taxas de criminalidade.

Apresentadas graficamente, essas várias correlações de crimes urbanos são como segue:








Essas tabelas demonstram que, sobre os últimos vinte e cinco anos, as correlações ponderadas para cada uma das categorias de crime em relação às porcentagens de brancos, hispânicos e “imigrantes” (isto é, hispânicos mais asiáticos) têm flutuado na faixa geral de -0,20 a -0,60. É bastante interessante que, na maior parte da última década, a presença de hispânicos e imigrantes tornou-se visivelmente menos associada ao crime do que a presença de brancos, embora essa última categoria obviamente exiba grande heterogeneidade regional. Enquanto isso, no caso dos negros, as correlações ponderadas de crimes aumentaram de 0,60 para cerca de 0,80 ou mais, quase sempre agora dentro de 0,75 e 0,85.

Esses cálculos particulares dependem de várias escolhas metodológicas menores. Por exemplo, eu tenho usado os limites da população do Censo de 2000 para selecionar as sessenta cidades grandes no meu conjunto de dados, enquanto eu poderia ao invés ter escolhido outro ano. As flutuações anuais substanciais nas porcentagens étnicas urbanas fornecidas pelas estimativas do Censo-ACS levaram-me a usar os números interpolados do Censo para todos os anos. Os totais anuais da população urbana usados ​​pelo FBI às vezes diferem um pouco dos números do Censo, e eu usei o primeiro para fins de ponderação populacional. No entanto, todos os meus resultados foram bastante robustos com relação a essas decisões específicas, e sua modificação produziria resultados amplamente indistinguíveis dos apresentados acima.

Em um assunto mais difícil, há sempre a possibilidade de viés local nas estatísticas de crimes do FBI, com os dados de algumas cidades possivelmente mais confiáveis ou abrangentes do que em outras. Mas a taxa de denúncias de homicídios é amplamente aceita como próxima a 100%, e a estreita correspondência entre os resultados dessa categoria de crime “padrão ouro” e aquela para as taxas de roubo e criminalidade violenta tende a confirmar a validade da última. De qualquer forma, esperaríamos que as áreas de maior criminalidade fossem aquelas com maior probabilidade de sofrer problemas de subnotificação; portanto, esperamos que nossos números subestimem um pouco o tamanho real das correlações.

É importante reconhecer que, no mundo da sociologia acadêmica, descobrir uma correlação importante na faixa de 0,80 ou mais é bastante notável, quase extraordinário. E mesmo essas correlações entre a prevalência da população negra e as taxas de criminalidade urbana podem na verdade tender a subestimar significativamente a realidade. Todas essas correlações foram realizadas em uma base agregada em toda a cidade. Os números da cidade de Nova Iorque incluem Upper East Side e Brownsville, Los Angeles, Bel Air e Watts, Chicago, Gold Coast e Englewood, com os totais de cada cidade calculando a média de ambos distritos mais ricos e perigosos. Essa metodologia grosseira tende a obscurecer o padrão local de criminalidade, que geralmente varia tremendamente entre diferentes áreas, geralmente correspondendo aproximadamente às linhas de segregação racial. Não é segredo que as áreas negras empobrecidas têm taxas de criminalidade muito mais altas do que as brancas afluentes.

Se, em vez disso, contássemos com unidades geográficas menores, como bairros, nossos resultados seriam muito mais precisos, mas os dados sobre etnia são fornecidos por código postal, enquanto os dados sobre crimes são relatados por delegacia, portanto, um grande empreendimento de pesquisa seria necessário para corresponder a essas unidades agregadas diferentes para fins de cálculo. No entanto, o aparente padrão geográfico de criminalidade nessas cidades e na maioria das outras pessoas pode nos levar a suspeitar que nossas correlações raciais nacionais se tornariam substancialmente maiores sob uma tal abordagem mais precisa, talvez atingindo ou excedendo o nível de 0,90. A conclusão inescapável é que as taxas de criminalidade urbana local na América parecem ser quase inteiramente explicadas pela distribuição racial local.

Mas poderia uma verdade sociológica tão surpreendentemente simples estar correta? Afinal, os estudiosos acadêmicos há muito tempo avançam em uma ampla variedade de explicações socioeconômicas diferentes para o crime, e essas frequentemente têm sido fortemente promovidas por especialistas e pela mídia. Os fatores comumente citados foram a densidade urbana, especialmente no caso de projetos de arranha-céus, e a pobreza local. Há também o número relativo de policiais a considerar. Certamente devemos comparar a possível influência desses fatores com os étnicos examinados acima.

Desde que as fronteiras geográficas de uma cidade são geralmente fixas, a densidade média da população é fácil de calcular e, nos últimos anos, seu aparente impacto sobre as taxas de criminalidade tem sido negligenciável, seja por homicídio, roubo ou crime violento em geral. Nos últimos doze anos, as correlações densidade / crime sempre variaram entre 0,20 e -0,20 e geralmente eram próximas de zero. Talvez muitos de nós tenham uma imagem mental intuitiva de cidades densamente povoadas da costa leste sendo focos naturais de crime. Mas isso parece incorreto: as taxas de criminalidade e a densidade urbana parecem ter pouca conexão.

E quanto aos tamanhos dos vários departamentos de polícia urbana? Embora as comparações precisas algumas vezes sejam difíceis, o Bureau of Justice Statistics publica periodicamente relatórios oficiais sobre o assunto, e o último estudo de 2007 lista os totais numéricos das cinquenta maiores forças policiais urbanas da América, permitindo calcular as correlações ponderadas entre esses níveis de policiamento per capita e as taxas de criminalidade correspondentes dos anos de 2007 a 2011. Descobrimos que existe realmente uma correlação positiva moderadamente forte, geralmente caindo na faixa de 0,30 a 0,60: quanto mais policiais, mais crimes. Embora isso possa parecer contra-intuitivo, a explicação se torna óbvia quando invertemos a direção da causa. As taxas mais altas de criminalidade geralmente convencem as autoridades locais a contratar policiais adicionais.

Finalmente, embora as taxas de criminalidade urbana rastreiem as condições econômicas locais, a relação está longe de ser estreita. Para os anos de 2006 a 2011, o Censo-ACS fornece estimativas da Renda Média, Renda Mediana e Taxas de Pobreza para cada centro urbano, e podemos facilmente executar os mesmos cálculos que fizemos no caso racial. As correlações entre os níveis de Renda Média e Renda Mediana e as várias categorias de crime geralmente caem na faixa de -0,40 a -0,60, sendo moderadamente ao invés de fortemente negativas. Até a correlação entre a taxa de pobreza e a criminalidade - apoiada no óbvio truísmo de que a maioria dos criminosos de rua é pobre - é dificilmente enorme, caindo entre 0,50 e 0,70, e geralmente bem abaixo de nossos números raciais.

A força relativa dessas diferentes correlações pode ser vista em um gráfico sobrepondo os resultados econômicos e étnicos nos últimos doze anos de correlações de taxas de assalto para nossas principais cidades. Embora os tempos econômicos difíceis desde 2008 tenham aumentado consideravelmente a influência da pobreza, esse fator ainda é consideravelmente menos significativo que o racial. 



De fato, a correlação raça / crime excede tão substancialmente a relação pobreza / crime que grande parte destes últimos pode ser simplesmente um artefato estatístico, devido a que a maioria dos negros urbanos é pobre. Considere que ambos os negros e os hispânicos atualmente têm taxas de pobreza nacional semelhantes na faixa de um terço, mais que o dobro do número de brancos, e cada uma delas representa bem mais de 20% da nossa população urbana. Contudo, grandes cidades com pobreza substancial, mas poucos negros costumam ter níveis muito mais baixos de criminalidade. Por exemplo, El Paso e Atlanta são comparáveis ​​em tamanho e têm taxas de pobreza semelhantes, mas o último tem oito vezes a taxa de assalto e mais de dez vezes a taxa de homicídios. Na Califórnia, Oakland corresponde aproximadamente a Santa Ana em tamanho e pobreza, mas tem várias vezes a taxa de criminalidade. Assim, parece plausível que remover a população negra de nosso cálculo possa realmente reduzir a correlação residual de pobreza / crime entre não-negros para um valor moderado ou mesmo baixo.

Até certa extensão, essa surpreendente possibilidade é meramente um silogismo estatístico. Sempre que a correlação com um único fator se aproxima da unidade, nenhum outro item não equivalente pode ter um impacto grande e independente. E falhando em reconhecer a existência de um fator tão único e esmagador pode nos levar a identificar erroneamente inúmeras outras influências espúrias, cuja aparente importância causal realmente deriva de suas próprias correlações com o item principal. Por muitos anos, a conexão negra com o crime local tem sido tão forte que quase elimina o possível papel de qualquer outra variável.

Nós devemos obviamente ser cautelosos ao interpretar o significado desses achados estatísticos, pois a correlação não implica necessariamente causalidade. Nos últimos anos, a correlação de crimes para números hispânicos ou hispânicos mais asiáticos tem sido substancialmente mais negativa do que a mesma figura para brancos, mas isso não prova necessariamente que os brancos têm muito mais probabilidade de cometer crimes urbanos, embora isso tenderia a descartar a possibilidade contrária de que hispânicos ou imigrantes tenham taxas muito mais altas de criminalidade.
No entanto, se nós examinarmos as estatísticas oficiais de prisão do FBI, nós descobrimos que elas parecem apoiar a interpretação mais direta de nossas correlações de crimes raciais. Por exemplo, os negros na América tinham seis vezes mais chances de serem presos por homicídio em 2011 do que os não-negros e oito vezes mais chances de serem presos por assalto; os fatores dos anos anteriores estavam geralmente em uma faixa semelhante. A precisão desse padrão racial de detenções é geralmente confirmada pelo padrão racial correspondente das declarações de identificação das vítimas, também agregadas pelo FBI. De fato, há vários anos, a organização liberal do Projeto de Condenação estimou que cerca de um terço de todos os homens negros americanos já são condenados por crimes na casa dos 20 anos de idade, e a fração certamente seria muito maior para aqueles que vivem em áreas urbanas.

Um sentido do impacto real dessas estatísticas sombrias pode ser encontrado nos dados estratificados do Censo-ACS de 2011 para as principais cidades americanas. Os três centros urbanos com as maiores populações negras são Nova Iorque, Chicago e Filadélfia, e juntos eles ultrapassam acima de um terço mais mulheres adultas do que homens negros. O déficit nacional correspondente de homens negros chega a milhões, explicando em parte os notórios problemas de “brechas no casamento” enfrentados pelas mulheres destes antecedentes. Esses milhões de homens negros desaparecidos geralmente estão mortos ou na prisão.

No decorrer dos últimos anos, as publicações oficiais do Bureau of Justice Statistics têm feito cada vez mais difícil determinar os totais raciais de reclusos em prisões estaduais e prisões locais, mas os números de meados dos anos 2000 provavelmente ainda fornecem uma estimativa razoável, e eu os tinha usado no meu artigo de 2010. Desde que o crime é predominantemente cometido por jovens do sexo masculino, para propósitos comparativos, devemos normalizar todos esses totais de encarceramento em relação à população básica de homens adultos em seus primeiros anos de crime, e os resultados estão resumidos no meu gráfico publicado anteriormente, reimpresso aqui.




Desde meados dos anos 90, a questão do crime nas ruas caiu principalmente nas primeiras páginas de nossos jornais nacionais e desapareceu do debate público. Enquanto isso, os negros americanos ganharam uma visibilidade muito maior nos alcances superiores de nossas elites nacionais, enquanto Barack Obama tem sido eleito e reeleito como nosso primeiro presidente negro. Isso pode parecer indicar que as clivagens raciais tradicionais em nossa sociedade se tornaram menos substanciais. Além disso, com um número tão grande de jovens negros agora na prisão, podemos naturalmente esperar que o caráter racial das taxas de criminalidade urbana nos EUA tenha diminuído acentuadamente nas últimas duas décadas. No entanto, as evidências quantitativas demonstram exatamente a situação oposta, como pode ser visto examinando as trajetórias combinadas de vinte e cinco anos de nossas várias correlações de crimes raciais, que se tornaram cada vez mais extremas. As imagens mostradas em nossas telas de cinema ou aparelhos de televisão podem retratar uma América, mas os dados reais revelam um país muito diferente. 



Uma vez que nós aceitamos a realidade desses fatos raciais fortemente diretos, devemos naturalmente nos perguntar sobre as causas e também por que as tendências históricas parecem ter se movido exatamente na direção errada na maior parte do último quarto de século. Certamente, muitas explicações teóricas foram avançadas, tanto da esquerda quanto da direita, e prateleiras inteiras da biblioteca foram preenchidas com livros sobre o assunto desde a violência urbana da década de 1960. Um breve artigo não é um lugar para eu sumarizar uma literatura tão vasta sobre um tópico contencioso, especialmente quando não posso fornecer minhas idéias originais. Porém, uma boa análise teórica requer uma sólida base factual, e meu principal objetivo aqui é estabelecer esses fatos, que outros poderão optar por interpretar da maneira que eles desejarem. Na ausência de tais informações, qualquer diálogo nacional torna-se um exercício de postura ideológica vazia.

                              

O subtexto racial da política eleitoral americana

As questões raciais têm tradicionalmente estado entre as mais cobradas na vida pública americana, e o nexo entre crime e raça tem sido excepcionalmente controverso por muitas décadas. Sob essas circunstâncias, estudiosos respeitáveis ​​tendem a ser cautelosos ao discutir ou meramente investigar esse tópico, e a grande mídia geralmente é ainda mais tímida. As contundentes descobertas raciais apresentadas acima requerem apenas cálculos estatísticos triviais e podem ser vislumbradas em qualquer inspeção casual dos rankings de crimes de nossas principais cidades. Mas eu permaneço incerto até que extensão eles já são reconhecidos por nossos especialistas em política social.

Por exemplo, quando eu apresentei meus resultados de correlação a um cientista social conservador muito importante, ele os achou chocantes e notáveis, e disse que nunca imaginou que a relação estatística entre raça e crime fosse tão forte. Mas quando mostrei os mesmos dados a um acadêmico liberal igualmente proeminente, ele aceitou as informações com facilidade e disse que presumia que quase todos os especialistas já estavam cientes dos fatos gerais. As reações de outros indivíduos conhecedores caíram ao longo de todo esse espectro, variando de surpresa a familiaridade. Um conhecimento tão explosivo que geralmente não é falado e não é relatado pode facilmente permanecer desconhecido, mesmo para muitos de nossos mais proeminentes intelectuais.

Mas se a maioria de nossas elites governantes reconhece ou não explicitamente o caráter racial fortemente evidente do crime americano, a realidade ainda existe, e devemos considerar explorar se esses fatos não publicados podem ter tido influências mais amplas em nossa sociedade, possivelmente em áreas aparentemente não relacionadas. Afinal, o crime urbano tem sido frequentemente uma questão proeminente na vida pública americana, durante alguns períodos ranqueados como um dos mais importantes. Certos assuntos podem não ser facilmente discutidos em empresas comportadamente polidas hoje em dia, mas se apenas uma porção dos cidadãos estiver intuitivamente ciente da situação, suas atitudes poderão ter efeitos em rastelo através da população inteira. Existe alguma evidência substancial para isso?

Considere o comportamento eleitoral dos brancos americanos, e especialmente a inclinação deles em apoiar candidatos democratas ou republicanos. Por causa da gerrymandering {expediente para direcionar contagem eleitoral ou de censo}, a maioria dos distritos individuais do congresso está esmagadoramente alinhada com um partido ou outro, e as eleições gerais são uma mera formalidade; isso é também frequentemente também verdadeiro nas corridas estaduais para senador ou governador. Contudo, nas eleições presidenciais, ambos os partidos quase sempre apresentam candidatos nacionais viáveis ​​com uma chance razoável de vencer, de modo que estes fornecem os melhores meios de medir o estimar o padrão de alinhamento político branco. E para essas campanhas, as linhas raciais são claramente estabelecidas, com os republicanos modernos sendo o “partido branco”, atraindo mais de 90% de seu apoio a esse grupo demográfico, enquanto mais de 90% dos negros votam regularmente no ingresso democrata, o qual usualmente também atrai a esmagadora maioria de outros eleitores não brancos.

Conforme eu apontei em um artigo de 2011[2], houve um padrão contundente em todo o estado para o comportamento dos eleitores brancos nas últimas duas décadas. Muitos ativistas conservadores e especialistas da mídia passaram anos atacando imigrantes, ilegais ou não, e denunciaram regularmente a ameaça cultural representada pela crescente população de estrangeiros que não falam inglês ou não são brancos. No entanto, o fato empírico é que a presença ou ausência de um grande número de hispânicos ou asiáticos em um determinado estado parece não ter praticamente nenhum impacto sobre os padrões de votação dos brancos. Enquanto isso, existe uma forte relação entre o tamanho da população negra de um estado e a inclinação de brancos locais favorecerem os republicanos. As correlações da média ponderada entre as composições raciais dos cinquenta estados e o grau em que seus eleitores brancos favorecem os candidatos republicanos à presidência estão sumarizadas no gráfico a seguir. 



Os líderes do Partido Republicano são sempre temerosos de serem denunciados como “racistas” pela grande mídia e, muitas vezes, procuram camuflar a fonte subjacente de seu apoio eleitoral adotando as formas mais extremas de tokenismo {esforço superficial ou simbólico para ser inclusivo para membros de minorias}, promovendo líderes e porta-vozes do partido negro enquanto recrutam fortemente candidatos negros e concentrando-se quase inteiramente em questões não raciais. Ativistas conservadores geralmente se identificam retoricamente como herdeiros do “partido de Lincoln” e podem até acusar seus oponentes democratas de tentar manter os negros na condição cativa pelo Estado de Bem-Estar. Mas os dados reais contam uma história muito diferente sobre as prováveis ​​fontes de apoio republicano

A força desse padrão pode ser vista em seus extremos. O Mississippi é o estado com a maior porcentagem de negros e, através de todas seis eleições, sua população branca foi a mais inclinada a votar nos republicanos, com números recentemente chegando quase ao nível de 90%. Louisiana, Geórgia e Carolina do Sul são geralmente agrupadas como as próximas ao mais negro em população e, na maioria das eleições, suas populações brancas encostaram com maior inclinação de apoiar o voto republicano, embora às vezes sejam excedidas pelos brancos do Alabama, o quinto ou sexto estado mais negro durante essas décadas.

Por outro lado, considere os três estados com as maiores porcentagens não brancas: Havaí, Califórnia e Novo México. Os brancos dos dois primeiros têm, na verdade, muito menos chances de votar nos republicanos do que os brancos em todo o país, enquanto os do Novo México ficam perto da média nacional. Isso tende a confirmar os resultados estatísticos nacionais de que a presença generalizada de não-brancos, mesmo em números esmagadores, parece ter pouco impacto no comportamento dos eleitores brancos.

Embora eu não argumentasse que o crime negro é o único fator determinante por trás da polarização racial no comportamento dos eleitores brancos, suspeito que seja um dos maiores contribuintes. Empiricamente, a presença de negros faz com que os brancos votem no bilhete republicano de “lei e ordem”, enquanto a presença de hispânicos ou asiáticos parece ter um impacto político negligenciável.

No entanto, devemos permanecer cautelosos na interpretação desses resultados. Por exemplo, embora essas correlações nacionais sejam certamente substanciais, elas são quase inteiramente devidas à ponderação dos estados do sul, nos quais os negros representam quase 20% da população total e as tensões raciais são tradicionalmente as mais fortes. Nos estados não sulistas, as correlações são nulas, talvez em parte porque os negros são encontrados em números muito menores, sendo inferiores a 9% do total.


O motivo oculto da imigração pesada?

Considere também a questão altamente contenciosa da imigração. Obviamente, grande parte do conflito subjacente é puramente econômico em caráter, com os trabalhadores conscientes de que restringir a oferta de mão-de-obra disponível protegerá seu poder de negociação sobre os salários, enquanto os negócios buscam maximizar seus lucros expandindo o conjunto de funcionários em potencial, com pouca qualificação ou de alta tecnologia.

Mas todos os participantes envolvidos descobrem rapidamente que, a despeito dos intermináveis protestos em contrário, há também um subtexto racial claro, usualmente responsável pela emocionalidade do debate. No último meio século, a esmagadora maioria dos imigrantes, especialmente os ilegais, não era branca, e os temores raciais resultantes têm sido uma força motivadora central que dirige muitos dos mais zelosos restricionistas, que temem ser inundados por um maremoto “dos outros.” No entanto, eu acredito que considerações raciais, plenamente conscientes ou não, também podem ser encontradas do outro lado da questão, ajudando a explicar por que nossa liderança nacional hoje apoia tão uniformemente a imigração estrangeira muito pesada.

As elites financeiras, midiáticas e políticas dominantes dos EUA estão concentradas em três maiores centros urbanos - Nova Iorque, Los Angeles e Washington, DC - e os três continham grandes populações negras, incluindo uma violenta subclasse. Durante o início dos anos 90, muitos observadores temiam que a cidade de Nova Iorque estivesse indo ao colapso urbano devido às suas taxas de criminalidade enormemente altas, Los Angeles experimentou o massivos e mortal motim Rodney King, e Washington muitas vezes disputou o título de capital americana de homicídios. Em cada cidade, a violência e o crime foram predominantemente cometidos por homens negros e, embora as elites brancas raramente fossem as vítimas, seus medos eram muito palpáveis.

Uma reação óbvia a essas preocupações foi o forte apoio político a uma aplicação nacional maciça de medidas duras ao crime, e o encarceramento de homens negros nas prisões aumentou quase 500% durante as duas décadas seguintes a 1980. Mas, mesmo após taxas tão enormes de prisão, as estatísticas oficiais do FBI indicam que os negros de hoje ainda têm mais de 600% de probabilidade de cometer homicídios do que os não-negros e sua taxa de roubo é mais de 700% maior; essas disparidades parecem tão altas com respeito aos imigrantes hispânicos ou asiáticos como elas são para os brancos. Assim, substituir os negros de uma cidade por imigrantes tenderia a reduzir as taxas de criminalidade local em até 90%, e durante os anos 90 as elites americanas podem ter se tornado cada vez mais conscientes desse importante fato, juntamente com as implicações óbvias para sua qualidade de vida urbana e valores de habitação.

De acordo com dados do Censo, entre 1990 e 2010, o número de hispânicos e asiáticos aumentou em um terço em Los Angeles, em quase 50% na cidade de Nova Iorque e em mais de 70% em Washington, D.C. O resultado inevitável foi espremer muito da população negra local, a qual declinou, muitas vezes substancialmente, em cada local. E todas as três cidades experimentaram enormes quedas no crime local, com taxas de homicídios caindo 73%, 79% e 72% respectivamente, talvez em parte como resultado dessas mudanças demográficas subjacentes. Enquanto isso, a população branca se deslocava cada vez mais para os de renda afluente, que eram mais capazes de suportar o aumento acentuado dos preços da habitação. É um fato inegável que as elites americanas, conservadoras e liberais, são hoje quase universalmente a favor de níveis muito altos de imigração, e seu possível reconhecimento do impacto demográfico direto em suas próprias circunstâncias urbanas pode ser um fator importante, porém não dito, para moldar suas visões.

Como exemplo anedótico, considere o caso de Matthew Yglesias, um proeminente jovem blogueiro liberal que vive em Washington, DC. Um par de anos atrás, ele relatou em seu blog[3] como foi subitamente atacado por trás e seriamente espancado por dois jovens enquanto voltava para casa uma noite de uma festa de jantar. No começo, ele foi bastante cauteloso ao identificar seus agressores, mas acabou admitindo que eram negros, possivelmente envolvidos na crescente prática racial da “caça ao urso polar” urbana tão amplamente divulgada pelo Drudge Report e outros sites de direita.

Poucos assuntos têm mais probabilidade de perturbar as mentes de nossa elite intelectual de Harvard do que o medo de sofrer violentos ataques aleatórios enquanto andam pelas ruas de sua própria cidade. No entanto, nenhum progressista respeitável possivelmente se concentraria no caráter racial de um ataque como esse, muito menos em defender a remoção de negros locais como medida de precaução. Em vez disso, Yglesias sugeriu que as questões de densidade habitacional poderiam ter sido responsáveis ​​e que um melhor planejamento urbano reduziria o crime.

Poucos assuntos têm mais probabilidade de perturbar as mentes de nossa elite intelectual de Harvard do que o medo de sofrer ataques violentos aleatórios enquanto andam pelas ruas de sua própria cidade. No entanto, nenhum progressista respeitável possivelmente se concentraria no caráter racial de um ataque como esse, muito menos em defender a remoção de negros locais como medida de precaução. Em vez disso, Yglesias sugeriu que as questões de densidade habitacional poderiam ter sido responsáveis ​​e que um melhor planejamento urbano reduziria o crime.

Mas considere que o apoio para níveis muito altos de imigração estrangeira é uma causa impecavelmente liberal, e tais políticas inevitavelmente deslocam e removem um grande número de negros urbanos; é fácil imaginar que Yglesias silenciosamente redobrou seu zelo pró-imigração após o incidente. Multiplique esse exemplo pessoal mil vezes, e talvez um fio importante da tremenda estrutura ideológica pró-imigração das elites americanas se torne aparente. Os racialistas de mentalidade mais conspiratória, hostilmente à imigração, às vezes especulam que há uma conspiração diabólica por nossa estrutura de poder dominante para a “substituição de raça” da tradicional população branca da América. Talvez um motivo oculto nesse sentido realmente ajude a explicar algum apoio à imigração pesada, mas suspeito que a raça que está sendo alocada para substituição não seja a branca.

Tais fatores também podem desempenhar um papel fora dos principais centros urbanos discutidos acima e mesmo onde menos suspeitados. Entre todos os empresários americanos, os executivos do Vale do Silício provavelmente são os mais fortes em sua defesa pró-imigração, como indicado pela principal campanha de publicidade política lançada recentemente pelos principais CEOs da tecnologia, organizados em conjunto como “FWD.us”. Obviamente, o seu próprio passado cosmopolita e o desejo de um suprimento ilimitado de engenheiros baratos e de alta qualidade é o motivo primário. Contudo, sentimentos amplamente difundidos em favor de grupos de imigrantes de menor escolaridade, como latino-americanos sem documentos, também parecem muito fortes, e encontramos a rica viúva de Steve Jobs, Laurene Powell Jobs, concentrando seus esforços quase exclusivamente nesse aspecto específico da legislação, com seus sentimentos dificilmente sendo discordante com aqueles do seu rico grupo de colegas. Fatores raciais ocultos poderiam ser parte da explicação? Isso pode parecer bastante improvável, já que a população negra do Vale do Silício tem sido muito baixa há décadas, atingindo 3 ou 4%.

No entanto, o poderoso papel da imigração na transformação das taxas de criminalidade de importantes centros urbanos provavelmente teve um impacto muito menor nos totais nacionais. As populações negras combinadas da cidade de Nova Iorque, Washington e Los Angeles podem ter caído meio milhão nas últimas duas décadas, mas os indivíduos expulsos não desapareceram do mundo; eles simplesmente se mudaram para Atlanta, Baltimore ou Riverside. Mas da perspectiva pessoal da elite dominante da América, eles realmente desapareceram.

Por mais de trinta anos, ativistas negros locais em Washington, D.C. têm acusado a estrutura de poder branco dominante de promover “o Plano”, uma estratégia deliberada de remover a maioria da população negra de nossa capital nacional e substituí-la por brancos; e essa “teoria da conspiração” tem sido infinitamente ridicularizada como falta de sentido absurdamente paranóica por nossa mídia de elite de Washington. Enquanto isso, durante o mesmo período de trinta anos, a população negra de Washington caiu de mais de 70% para menos da metade e provavelmente cairá abaixo do total de brancos dentro de próximos poucos anos.

De fato, o forte apoio de nossas elites políticas aos vouchers de moradia da Seção 8 pode estar menos conectado a quaisquer supostos benefícios sociais que estes proporcionem do que ao seu papel importante em afastar um grande número de moradores urbanos pobres da vizinhança próxima de bairros ricos para os remotos subúrbios da classe média. Vários anos atrás, o Atlantic publicou um artigo importante[4] de Hanna Rosin sobre as rápidas mudanças no padrão geográfico do crime induzido por essas mudanças demográficas, e a peça provocou muita discussão, mesmo embora o autor tenha evitado indevidamente enfatizar os aspectos raciais preocupantes. O egoísmo da elite não surpreende e uma política de exportar essas populações com forte vínculo com o crime para outras localidades parece uma estratégia natural, especialmente se isso puder ser realizado sob o disfarce altruísta de programas anti-pobreza de elevação social.

Finalmente, é importante enfatizar que essa clara interação política entre altos níveis de imigração e deslocamento urbano negro é um desenvolvimento relativamente recente e certamente não foi antecipado pelos promotores originais da Lei de Imigração de 1965. De fato, embora os restricionistas denunciem rotineiramente essa legislação por ter inundado a América com imigrantes hispânicos, os fatos são precisamente o oposto. Enquanto a Lei de Imigração de 1924 havia reduzido drasticamente a imigração da Europa (e Ásia), todo o Hemisfério Ocidental estava totalmente isento e os EUA mantiveram sua política anterior de “fronteiras abertas” para o México e o resto da América Latina até que finalmente foram introduzidas cotas rígidas como parte da lei de 1965. Embora se esperasse que essas mudanças de 1965 permitissem a imigração europeia renovada, ninguém previu o grande fluxo de imigrantes hispânicos e asiáticos nas décadas que se seguiram, nem o impacto resultante sobre a composição racial de nossas principais cidades. Hoje, porém, essas contínuas mudanças demográficas urbanas podem agora ter se tornado um motivo significativo nas mentes das elites advogando o aumento da imigração sob a legislação que está sendo considerada pelo Congresso.

Durante os anos 60, o autor negro James Baldwin cunhou a frase amplamente citada “Renovação urbana significa remoção de negros”. Suspeito que hoje uma política nacional semi-intencional um tanto semelhante esteja transformando os principais centros urbanos da América, embora permaneça quase totalmente não relatada por nossa grande mídia.

Em raras ocasiões, a máscara desliza e o funcionamento mental subjacente de nossas elites nacionais é momentaneamente revelado. Considere o prefeito da cidade de Nova Iorque, Michael Bloomberg, uma de nossas vozes pró-imigração mais vocais no cenário nacional e um homem cuja vasta riqueza e influência muitas vezes permitem que ele seja muito mais sincero em assuntos controversos do que a maioria das outras figuras públicas. Em maio de 2011, a Bloomberg foi entrevistada no Meet the Press[5] e explicou que, se tivesse autoridade total, poderia resolver facilmente os problemas aparentemente insolúveis de uma cidade como Detroit, sem nenhum custo para o contribuinte. Ele propôs a abertura ampla das comportas à imigração estrangeira ilimitada, com a condição de que todos os imigrantes adicionais se mudassem para Detroit e morassem lá por uma década ou mais, transformando a cidade. Suspeito que isso forneça um vislumbre importante de como ele e seus amigos discutem certas questões raciais em privado.


A notável exceção da cidade de Nova Iorque

Evidências quantitativas poderosas para o determinismo social podem ser desanimadoras e, quando o principal determinante parece ser a raça, muitos americanos optam por levantar as mãos e ignorar os fatos estatísticos, simplesmente esperando que, de alguma forma, eles se mostrem incorretos. Esse é certamente o privilégio deles, mas para aqueles indivíduos que preferem cerrar os dentes e minar os dados para indicações contrárias, existem algumas pepitas interessantes.

As correlações médias ponderadas são uma estatística resumida muito útil, mas elas não contam toda a história nem obstam a existência de casos remotamente posicionados, as quais podem fornecer alguns vislumbres para fazer menos pior a situação sombria que nós temos descrito. E então acontece que entre as nossas dezenas de grandes centros urbanos, uma das mais remotas posições de raça / crime é nem pequena nem obscura: a cidade de Nova Iorque. Nossa maior metrópole geralmente apresenta índices de criminalidade que se desviam agudamente do padrão urbano habitual observado em quase todos os outros lugares mais.

Lembre-se de nossa menção anterior à surpreendente ausência de qualquer correlação entre a densidade populacional urbana e as taxas de criminalidade. Essas estatísticas resumidas estavam corretas, mas também ocultaram algumas variações importantes e o resultado geral nulo foi quase inteiramente devido à densidade extremamente alta e às baixas taxas de criminalidade na maior cidade da América, combinadas com seu enorme peso populacional. Se excluirmos a cidade de Nova Iorque de nossos cálculos, o restante dos principais centros urbanos da América demonstrará algumas correlações moderadamente fortes e razoavelmente estáveis entre densidade e criminalidade nos últimos doze anos; por exemplo, a densidade geralmente teve uma correlação positiva de cerca de 0,35 com as taxas de roubo.

Anomalias similares aparecem nos cálculos de crimes raciais que têm sido o foco central de nossa análise. Baseados em sua composição racial, esperaríamos que a taxa de homicídios da cidade de Nova Iorque fosse 70% maior do que ela realmente é, com roubos e crimes violentos também sendo muito mais amplamente difundidos. Cidades como San Jose e San Diego podem ter taxas de homicídios e crimes violentos apenas metade da cidade de Nova Iorque, mas, dadas as grandes diferenças demográficas subjacentes, é o melhor de Nova Iorque que merece elogios por sua notável eficácia na prevenção ao crime. Avaliar o aparente sucesso ou fracasso das políticas de aplicação da lei urbana sem considerar francamente os desafios demográficos de uma cidade pode levar a julgamentos incorretos das políticas.

Pouco do sucesso da cidade de Nova Iorque na prevenção ao crime parece ser devido ao tamanho relativo de sua força policial, que é aproximadamente semelhante à de Chicago, Filadélfia, Baltimore e Boston em uma base per capita, e muito abaixo da de Washington, DC, todas as cidades cujas taxas de criminalidade refletem seus dados demográficos. Portanto, parece que os métodos de combate à criminalidade da cidade de Nova Iorque, e não apenas o número de seus oficiais, foram o fator crucial.

As ideias têm consequências, assim como as tentativas de evitá-las. Durante a maior parte dos últimos vinte anos, os métodos de policiamento implementados pelos prefeitos Rudolph Giuliani e Michael Bloomberg receberam enormes elogios nacionais ao reduzir drasticamente as taxas de criminalidade de Nova Iorque: os assassinatos caíram mais de três quartos. Mas durante últimos anos, algumas dessas mesmas políticas começaram a receber críticas generalizadas entre os especialistas que podem ter esquecido o quão ruim as coisas eram duas décadas atrás.

Nossa simples análise estatística obviamente não nos permite desembaraçar a importância relativa dos diferentes fatores por trás do sucesso da cidade de Nova Iorque. Desde o início dos anos 90, a cidade implementou um modelo de “policiamento comunitário”, além de ser pioneira no uso rápido de dados de crimes locais para identificar pontos perigosos e alocar recursos com mais precisão. Mas outros elementos do pacote incluíram métodos de policiamento rigorosos e até severos, como o uso generalizado de “parar e revistar” para reduzir a violência armada. Denunciar essas técnicas como inconstitucionais ou racialmente discriminatórias pode ser perfeitamente justificado, mas aqueles que o fazem devem considerar as compensações desejáveis/incompatíveis envolvidas, incluindo a possibilidade muito real de um aumento de 70% nos homicídios se a eficácia do policiamento local diminuir para os níveis encontrados no resto do país.

Vamos comparar as tendências demográficas e criminais da cidade de Nova Iorque e Washington, moradas gêmeas da nossa elite urbana da costa leste. Entre 1985 e 2011, a taxa de homicídios de Washington caiu 26%, o roubo caiu 27% e os crimes violentos em geral foram reduzidos em 30%; mas a população negra da cidade também caiu 27% durante o mesmo período. Enquanto isso, os declínios de crimes correspondentes na cidade de Nova Iorque foram muito maiores, 67%, 78% e 67%, respectivamente, mas foram acompanhados por apenas um pequeno declínio de 7% no número de negros. Para que todas essas taxas de criminalidade grave declinem quase dez vezes a taxa de seu principal determinante racial é absolutamente notável, uma combinação que deixou a cidade numa condição isolada excepcional entre os principais centros urbanos da América.

Colocando em outra maneira, se as outras cidades americanas com grandes populações negras conseguissem alcançar as mesmas taxas surpreendentemente baixas de criminalidade que a cidade de Nova Iorque, então a maioria das altas correlações de crimes raciais que têm sido os principais achados deste artigo desapareceria. Por outro lado, se a cidade de Nova Iorque fosse excluída de nossas estatísticas nacionais atuais, muitas das correlações de crimes raciais existentes seriam superiores a 0,90. Esses são fatos objetivos e analistas bem-intencionados que criticam profundamente os métodos de policiamento da cidade de Nova Iorque devem reconhecer que eles podem enfrentar algumas escolhas não palatáveis.

Talvez mais pesquisas estabeleçam que os elementos amplamente elogiados da prática policial local são os principais responsáveis por esses resultados, e os métodos mais controversos podem ser seguramente eliminados, sem consequências negativas. Mas, qualquer que seja a combinação de razões, os resultados gerais alcançados pela cidade de Nova Iorque têm sido bastante notáveis e cautela deve ser exercida antes que mudanças drásticas sejam feitas em um modelo tão bem-sucedido.

Obviamente, a cidade de Nova Iorque não é a única posição isolada positiva nessas estatísticas de crimes, embora seja de longe a mais significativa, tanto por causa de seu tamanho quanto da magnitude de seu desvio em relação aos resultados previstos. Se examinarmos as taxas de homicídios de 2011 em nosso conjunto de 66 grandes cidades, dezessete delas estavam pelo menos 30% abaixo da linha de tendência projetada, com quatro cidades - Charlotte, Raleigh, St. Paul e Virginia Beach - obtendo resultados ainda melhores do que a cidade de Nova Iorque. Mas muitas dessas bem-sucedidas cidades têm populações negras numericamente pequenas, e o total de todas as dezessete combinadas não é muito maior que o de Nova Iorque. Um fato intrigante é que, embora menos de um terço de todas as nossas grandes cidades se situe no sul, essas cidades do sul são responsáveis ​​por mais de dois terços desses exemplos particularmente bem-sucedidos, e um padrão aproximadamente similar se aplica a ambas outras taxas de criminalidade e para outros anos recentes. A mistura exata de fatores culturais, socioeconômicos ou demográficos responsáveis ​​por tal notável sucesso sulista em alcançar taxas de criminalidade urbana relativamente baixas não é clara, mas pode justificar uma investigação mais aprofundada.


Durante a última década ou duas, intelectuais liberais têm denunciado regularmente seus oponentes conservadores por permitirem que considerações ideológicas superem fatos objetivos, algumas vezes denominando-se a “comunidade baseada na realidade” como uma resposta irônica às críticas tolas de um alto funcionário do governo Bush. Muitas dessas acusações liberais têm mérito considerável. Mas os indivíduos que afirmam aceitar a realidade desvalorizam sua credibilidade se escolherem quais partes da realidade reconhecem e quais ignoram cuidadosamente. Nossas elites acadêmicas e da mídia não devem evitar evidências factuais que eles não gostam.

Considere que mais de um quarto de todos os homens negros urbanos da América desapareceu de nossa sociedade, uma taxa de perda próxima à experimentada pelos europeus durante a Peste Negra da Idade Média. No entanto, essas estatísticas surpreendentes permaneceram em grande parte não relatadas por nossa grande mídia e, portanto, não foram reconhecidas pelo público americano em geral. Deveriam os escribas medievais do século XIV ter ignorado o impacto aniquilador da peste bubônica ao seu redor e meramente confinado seus escritos a notícias mais agradáveis?

Dizem que crianças muito pequenas às vezes acreditam que podem se esconder cobrindo os olhos, e essa parece ser a abordagem geral adotada por nossa grande mídia para as desagradáveis e ameaçadoramente não bem-vindas estatísticas de crimes raciais analisadas neste artigo. Mas a realidade continua a existir, se nós a ignoramos ou não.

Tradução e palavras entre chaves por Mykel Alexander


Notas


[1] Fonte utilizada pelo autor: His-Panic, por Ron Unz, 01 de março de 2010, The American Conservative.

[2] Fonte utilizada pelo autor: Immigration, The Republicans, And The End Of White America, por Ron Unz, 19 de setembro de 2011, The American Conservative.

[3] Fonte utilizada pelo autor: {site fora do ar em consulta feita em 02 de junho de 2020).

[4] Fonte utilizada pelo autor: American Murder Mystery, por Hanna Rosin, julho-agosto de 2008, The Atlantic.

[5] Fonte utilizada pelo autor: https://www.youtube.com/watch?v=gGPPQnjdCVQ



Fonte: Race and Crime in America, por Ron Keeva Unz, 20 de julho de 2013, Ron Unz – Writings and Perspectives.


Ron Keeva Unz (1961 -), de nacionalidade americana, oriundo de família judaica da Ucrânia, é um escritor e ativista político. Possui graduação de Bachelor of Arts (graduação superior de 4 anos nos EUA) em Física e também em História, pós-graduação em Física Teórica na Universidade de Cambridge e na Universidade de Stanford, e já foi o vencedor do primeiro lugar na Intel / Westinghouse Science Talent Search. Seus escritos sobre questões de imigração, raça, etnia e política social apareceram no The New York Times, no Wall Street Journal, no Commentary, no Nation e em várias outras publicações.

_________________________________________________________________________________
Relacionado, leia também:

Migrantes: intervenções “humanitárias” geralmente fazem as coisas piores – Entrevista com Alain de Benoist

A Sabedoria dos Antigos: Cidades-Estado Gregas como Estados-étnicos - Por Guillaume Durocher

Biopolítica, racialismo, e nacionalismo na Grécia Antiga: Uma visão sumária - Por Guillaume Durocher (pseudônimo)